Seja bem vindo e permita-se 'delirar' com as histórias!


O Fio da Meada é formado por Dodô Bertone, Gui Pimentel e Rafael Rosa desde maio de 2009. Costura brincadeiras, cantigas e histórias da cultura popular e da literatura universal, além de músicas de própria autoria, sons e instrumentos diversos.


Entre em contato conosco e puxe um dedo de prosa!
fiodameada.historias@gmail.com
(43) 9106.4286 (43) 9926.7682 (43) 9929.1891

domingo, 25 de julho de 2010

Férias (parte 2)

Numa dessas andanças de férias, eu fui parar em Castro/PR. Uma viagem que parecia me levar para um reino de histórias! No caminho, os primeiros indícios... Em Tibagi, encontramos uma legítima fiandeira: Dona Neiva! Não acreditei. Era uma roca de verdade! Uma não, várias! Tive um bom dedo de prosa com esta senhora, que trabalha há vinte anos neste ofício. Ela faz todo o processo, desde a lavagem da lã, o carpar, a produção do fio, o tingimento e a tecelagem em si. Fiquei sabendo que, graças a iniciativa de dona Eloina e outras artesãs, foi criada uma associação de artesãos, que se mantém até hoje sendo uma complementação de renda de muitas famílias, inclusive para Dona Neiva. Adorei conhecê-las!

Na entrada de Castro, uma bota vermelha gigantesca me aguardava com sua torre de casa! Será que estava no lugar certo? Será que um duende viria me recepcionar? Mas um bocadinho pra frente, encontrei um moinho pequenino, que contraste. Bota gigante, moinho pequeno! Hum... Estava sentindo cheiro de histórias!

A cidade de Castro/Pr fez parte da Rota dos Tropeiros. Ela mantém o Museu dos Tropeiros e lá eu soube que esses homens valentes eram muito supersticiosos. Eles tinham medo de saci, curupira, mula sem cabeça e de tudo quanto era criatura considerada encantada! Esta eu não sabia!

Nossa teve tanta história: A casa da Sinhá, a fazenda Capão Alto com a figura do seo João (um senhor que relatou a história da fazenda, seu glamour e abandono), nos mostrou um pinheiro caído a há 50 anos e que deve ter cerca de 500 anos. Olhe a largura da raiz na foto! Ainda vimos um de pé, majestoso com seus 200 anos!

Tinha até peixe fora d'água, sapo fora do rio(desconfiei que era um príncipe esperando um beijo para quebrar o encanto!) e serpente enorme pronta para abocanhar os desavisados!

Esqueci de contar que em Castro tem uma colônia holandesa. Assistimos a final da Copa do Mundo em pleno reduto alaranjado! Foi muito divertido vê-los torcer, embora eles não tenham levado a taça. Nessa colônia há um grande moinho, no qual podemos entrar e ver seu funcionamento. Na recepção, tive uma supresa! Um outro senhor, sabido que só, mas de nome difícil de pronunciar e ainda mais de escrever. Ele fez uma mágica. Com um simples girar de manivela fez aparecer uma simpática música "feita" com papéis furados! É verdade!

video
Foi uma viagem especial!Lembrei de uma frase que fala mais ou menos assim, que às vezes não é necessário grande viagens, mas sim novos olhares. Pra fechar com chave de outro, ainda levei um "sacode"! (rs) Desde que me hospedei na pousada fiquei "intrigada" com a dedicação da moça que nos atendia. Sempre muito gentil,entusiasmada, mesmo tocando o estabelecimento sozinha. Admirava-me aquela moça tão jovem e tão envolvida com o seu trabalho. Foi na hora da despedida que entendi o por quê. Aquela pousada era a realização de seu sonho. Agora não vem ao caso descrever nossa conversa e os pormenores, mas sai dali com a sensação que precisava cuidar dos meus sonhos, principalmente, da realização deles. E você está cuidando do seu?

sábado, 24 de julho de 2010

Férias do Fio da Meada (parte 1)


O mês de julho foi de "férias" para o grupo. Nos espalhamos por ai. Dodô e Rafa foram ministrar uma oficina de Brincadeiras, danças e cantigas populares no Festival de Inverno de Antonina, feito pela Universidade Federal do Paraná. Os dois passaram por lá uma semana, ensinando, aprendendo,trocando experiências com diversas pessoas. Rodas de dança foram feitas e quanta energia! Renovaram suas próprias energias! Tanto que já chegaram e foram direto para uma festa julhina brincar com o Boi!

Por falar em danças... Enquanto eles estavam se rodopiando por outras bandas, aqui em Londrina aconteceu uma Oficina de Ciranda com a Lia de Itamaracá, as filhas de Antônio Baracho (um dos primeiros cirandeiros que se tem registro) e os músicos que as acompanham. Foi uma tarde vibrante! Os participantes puderam vivenciar um pouco da percussão, canto e dança da ciranda.
Não resistimos! Eu e a Janaína entramos na roda!Sacudimos o ganza, cantamos, dançamos e eu, ainda, tietei! (rs)
"Essa ciranda quem me deu foi Lia
que mora na Ilha de Itamaracá..."
Na foto, a esquerda está Terezinha e a minha direita, Lia.

Minha Ciranda

Minha ciranda não é minha só
Ela é de todos nós
A melodia principal quem
Guia é a primeira voz

Pra se dançar ciranda
Juntamos mão com mão
Formando uma roda
Cantando uma canção

Lia de Itamaracá